sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Navegar é Preciso - Testando um Cruzeiro


"Navegar é Preciso" Fernando Pessoa

Fizemos nossa primeira aventura no mundo dos cruzeiros este ano.

Depois de passar 10 dias caminhando muito em Boston e Nova York, decidimos antes de voltar pegar um cruzeiro para relaxar. Escolhemos um cruzeiro mais curto, 5 noites, para descobrir as reações do organismo a bordo, e descansar das andanças. Meu medo sempre foi de sentir balançar, enjoar ou ter algum problema com a quantidade de pessoas ou estilo dos passeios. Não sei se tivemos sorte, mas até esquecemos que estávamos em um navio. Com relação aos passeios cada um decide o que deseja fazer, se quer mergulhar, curtir o navio ou passear. Algumas pessoas que estavam a bordo, eram um capítulo a parte, pareciam um grupo Emo/Dark/ Gótico e afins. Não sei definir bem essas tribos, mas com certeza foi divertido!

Embarcamos no Enchantement of Seas da Royal Caribean, para um tour pelo Caribe Western, saindo do Port Everglade em Fort Lauderdale, Flórida. Juntaram-se a nós nesta aventura (de baixo risco) meus pais, meu irmão Guilherme e mais meus tios Liliane e Adilson,e no fim, formou-se uma reunião de família. Com certeza o navio é um ambiente indicado para tour com mais pessoas, porque esta tudo mais ou menos definido, não precisando reuniões para decidir onde ir jantar, passear ou etc.

Piscina Principal

Fim de tarde



Pista de Cooper
Vão Principal

O navio não é dos mais tops, mas mesmo assim não decepcionou. O Enchantement of Seas é um navio de 1997, reformado em 2005. Possui capacidade para 2446 passageiros mais 840 tripulantes. Ficamos em cabines externas, aquelas que possuem somente uma janelinha. O quarto era bastante confortável, e não achei tão apertado assim, muito mais confortável do que um Formule 1. O banheiro era simples, e sem banheira, mais o tamanho bom.


Enfeite com a toalha
Os serviços em geral são muito bons, todos os funcionários cordiais, tudo bem organizado e limpo, além de uma grande pontualidade. A alimentação era boa, um café da manhã bem completo, com frutas, e todos os tipos de bacon, ovos, batatas, salsichas que os americanos adoram, além de alguns bolos e tortas, e bastante variedades de pães.
O almoço em si é simples, mas com opções variadas, e além disso, as pizzas e os hamburgueres estão disponíveis à vontade nos bares. No final de tarde era servido também sushi.
Nos cruzeiros da Royal , existem horários para o jantar, o primeiro horário às 18h e o nosso era o segundo, as 20:30h. Os jantares são servidos à Francesa, com um cardápio variado da cozinha Internacional. Na hora do jantar, um casal de cariocas Bruno e Carol juntavam- se a nos, deixando o jantar ainda mais agradável. Porém, o grande diferencial do jantar certamente foi o Maitrê, um Indiano chamado Debanjan, que lembrava em muito o Tatu da Ilha da Fantasia, e era uma cortesia imensa.
Outra dica bacana é tomar o café da manhã no quarto. Fizemos isto duas vezes, existe um cardápio no quarto, onde você anota o que deseja e o horário para a entrega. Você deve deixar pendurado na porta do quarto até as duas da manhã do dia anterior. Na manhã seguinte, 5 minutos antes do horário marcado, eles avisam que o café será entregue. Assim não correm o risco de pegar alguem de cueca. Muito bem pensado!


Nossa excursão

Detalhe na Cafeteria
Nossa primeira parada foi em Key West, ele ancora dentro da cidade literalmente, existem algumas opções de passeio e mergulhos, além do tradicional aluguel de scooters. Desembarcamos umas 10 horas da manhã, demos um giro pela cidade, fomos ao ponto mais ao sul dos Estados Unidos, casa do escritor Ernest Hemingway, e paramos para beber alguns chopps pelo caminho. Com certeza, o legal de Key West é a noite nos bares da cidade, mais tinhamos que retornar até às 14:00 ao navio. Fica pra próxima.


Um dos Pub Tardicionais de Key West

Nossa segunda parada foi em Cozumel, ilha paradisíca do litoral do México. Tem um post à parte sobre Cozumel, que sinceramente me encantou (aqui o post). Um verdadeiro aquário de águas intensamente azuis e areia branquinha. O Único susto foi na saída, devido a uma tempestade e ventos fortes, o navio da Carnival Legend, se chocou contra o nosso, que estava parado, e foi um grande auê, alarme, sinais de emergência etc. Causou pequenos estragos em ambos os navios, mas não alterou em nada o roteiro. Foi uma verdadeira barbeiragem em alto mar! Tem até video no Youtube. (Veja aqui)


Porto Cozumel, com o Carnival Legend ao fundo


Estrago no Navio da Carnival


Nossa terceira e última parada foi em Belize, uma pequena ex colonia Inglesa na América Central. Nesta parada o navio fica ancorado numa baia, e vamos de barco para cidade de Belize, que não possui muitos atrativos. Nesta parada o principal são as excursões para ruínas Maias, passeios na floresta Tropical e mergulhos, em Belize está localizada a maior barreira de coral do Atlântico.
Nossa escolha foi o mergulho de snorquel na barreira de coral, algo surpreendente. Muito belo o local, você pega uma lancha que te leva a uma ilha no meio do nada, onde estão os guias e os equipamentos, além de alguns coqueiros, para enfeitar a paisagem, uma ilha no paraíso.


Ilha no Paraíso em Belize

Voltando do Mergulho em Belize

Nosso último dia foi navegando, o que foi excelente, para descansar e aproveitar o navio. Relax total.



Fim de Tarde na Jacuzzi
Aproveitamos a experiência e em breve embarcaremos novamente, pois como dizia o poeta "Navegar é preciso"

# Dicas da parada do cruzeiro em Cozumel